content here is the anonymously transparent proxied version of ecb.europa.eu   X
European Central Bank - eurosystem
Opções de pesquisa
Página inicial Sala de Imprensa Notas explicativas Estudos e publicações Estatísticas Política monetária O euro Pagamentos e mercados Carreiras
Sugestões
Ordenar por
Christine Lagarde
The President of the European Central Bank
  • BLOGUE DO BCE

Assegurar a estabilidade de preços

23 de julho de 2022

Por Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu

O aumento das taxas de juro constitui um momento marcante no nosso percurso para uma inflação mais baixa.

A inflação é demasiado elevada. A guerra da Rússia na Ucrânia provocou um aumento dos custos energéticos e dos produtos agrícolas. A escassez de materiais, de equipamento e de mão de obra resultante da pandemia também está a fazer subir os preços. Esta situação prejudica as pessoas e as empresas na área do euro, em especial as que têm rendimentos baixos.

Muita desta inflação está a ser impulsionada por fatores que os bancos centrais não podem controlar. O que podemos fazer, contudo, é assegurar que a inflação não se torna persistente. É o que poderia acontecer caso as subidas de preços se generalizassem na economia e as pessoas começassem a esperar uma inflação mais elevada no futuro. Nesse cenário, deparar-nos-íamos com as espirais salários-preços que historicamente conduziram a uma inflação descontrolada.

Por este motivo, na quinta-feira, os meus colegas do Conselho do Banco Central Europeu (BCE) e eu decidimos aumentar as taxas de juro da área do euro em 0,5 pontos percentuais, terminando o período de oito anos de taxas negativas. Estamos unidos no compromisso de assegurar que a inflação regressa ao nosso objetivo de 2% a médio prazo.

Trata-se do primeiro aumento das taxas de juro em 11 anos. No entanto, representa apenas a etapa mais recente do nosso percurso no sentido da cessação das medidas especiais que tivemos de tomar para combater uma série de crises. Iniciámos esse percurso em dezembro de 2021, quando anunciámos a descontinuação do nosso programa de compra de obrigações no contexto da pandemia, que ajudou a área do euro a enfrentar as repercussões económicas da crise da COVID‑19. No mês passado, suspendemos outro programa de aquisição de obrigações, iniciado em 2015, quando a área do euro se defrontava com o risco de deflação, que pode ser tão prejudicial como uma inflação elevada.

A inflação regressará ao nosso objetivo de 2%

Com estas medidas, estamos a transmitir uma mensagem clara às empresas, aos trabalhadores e aos investidores: a inflação regressará ao nosso objetivo de 2% a médio prazo. Estas medidas já estão a ter impacto nas taxas de juro no conjunto da área do euro, o que ajudará a guiar a economia no sentido de um retorno a preços estáveis.

O euro tem sido – e continuará a ser – uma moeda estável. É esse o compromisso que assumimos. É a nossa função e iremos cumpri-la.

Continuaremos a aumentar as taxas de juro, enquanto for necessário, para fazer a inflação regressar ao nosso objetivo a médio prazo. Reconhecemos também que a Europa se defronta com uma grande incerteza, nomeadamente devido à guerra e aos preços dos produtos energéticos. À medida que a economia evolui e responde a múltiplos desafios externos e internos, o Conselho do BCE analisará a situação e decidirá sobre o ritmo adequado das etapas seguintes, em função dos dados disponibilizados.

A transmissão da política monetária tem de ser ordenada no conjunto da área do euro

A nossa política monetária é executada numa união monetária de 19 países – em breve, 20. Em resultado, é transmitida às famílias e às empresas através de 19 mercados financeiros diferentes. Para fazer face à inflação elevada no conjunto da área do euro, temos de garantir a transmissão ordenada da nossa política monetária em todos os países da área do euro. Por conseguinte, concebemos igualmente um novo instrumento, designado “Instrumento de Proteção da Transmissão” (IPT). O IPT salvaguardará a unicidade da nossa política monetária e, desse modo, ajudar-nos-á a assegurar que os preços permanecem estáveis no médio prazo.

O euro une 340 milhões de pessoas. Tem sido – e continuará a ser – uma moeda estável. É esse o compromisso que assumimos. É a nossa função e iremos cumpri-la.

Este texto do Blogue do BCE foi publicado como artigo de opinião em vários jornais e sítios Web em toda a Europa.